Thursday, March 02, 2006

O Caminho

Tenho para mim que toda a nossa vida é um caminho.
Isso, como se de uma estrada se tratasse. E tantas as estradas, quantas as pessoas. Há estradas mais largas, estradas de horizontes tamanho XL que dão espaço a muitas coisas, que dão espaço aos outros, que SÃO espaço para os outros peregrinos que se vão cruzando connosco no percurso. Depois há outras mais estreitas, onde quase só nós cabemos, e onde todo o resto se tem de ir apertando e afunilando à medida das nossas vontades.
E há percursos que ora são assim mais largos ou mais estreitos, dependendo de um determinado ponto da estrada, quer dizer, de uma fase da vida. Tipo…ao quilómetro X..a estrada vai alargar ou vai estreitar..provisoriamente, leia-se. Para obras, por exemplo. Externas ou internas!
E há também caminhos mais fáceis do que outros. Há deles mais bonitos, com menos buracos, menos sobressaltos, outros com árvores mais elegantes ou que simplesmente nos dão mais sombra.. enfim..tantas as variações, quantas as estradas…

Mas há um denominador comum entre todas as estradas. Todas. Todas elas são, invariavelmente, um caminho. UM CAMINHO PARA……
Hmm…questiono-me. Mas prefiro ficar por aqui. Creio que o completar dessa frase cabe a cada um dos caminhantes. E talvez essa resposta se encontre, eu diria, pelo caminho. Ao longo dele. Por isso ele nos é dado e é tão importante.
Mas adianto:
Se nos concentrarmos nas incontáveis diferenças que existem em todas as nossas estradas, para onde nos levam tantos e tão variados caminhos?
E se focarmos apenas as semelhanças, encontrar-nos-emos todos afinal à chegada?

Onde quer que cheguemos, cada vez MAIS tenho MENOS dúvidas de que o objectivo não reside na meta. Reside no percurso em si.
E se assim for, talvez nos ajude pensar que a meta está, afinal, em cada passo que damos, cada buraco da estrada, cada poça de água que pisamos ou que felizmente contornamos, cada rajada de vento frio, cada brisa fresca reconfortante, cada caminheiro que nos aborda, cada outro peregrino que apoiamos.
É por isso que me atrevo a dizer-te: há que ir fazendo o caminho, e, de preferência, dando atenção aos detalhes, ao que no rodeia. Parar de vez em quando para sentar e resgatar as forças. Aquelas que existem dentro de nós. E depois reerguer, continuar. É a caminhar que se faz o caminho! E a meta, tal como as forças, eu creio, essa também está no interior de quem o faz!

23 comments:

deep said...

Por vezes, mesmo quando parece apenas que erramos, sem destino, vamos trilhando caminhos que nos conduzem ao que somos, aos outros. Nesses caminhos colhemos flores ou admiramo-las apenas, deixando que nos perfumem os dias; distraídos, tropeçamos em pedras, desviamo-nos a tempo de outras e, cada vez que nos sentamos, a descansar, damos conta de que atingimos, aos poucos, metas.

xana said...

concordo profundamente, deep!

deep said...

Perdida nas minhas próprias palavras, acabei por me esquecer de dizer que gostei imenso do teu texto. Bjs

xana said...

e eu.. do teu!
merci!

Miguel said...

Pois...existem textos bonitos e textos que se vivem... sei agora da qualidade do teu caminho. E sei também que ajudamos outros a fazer o seu da melhor maneira.

Beijo

Pe. Tó Carlos said...

Eu olho sempre para a meta...Num horizonte de eternidade! Ajuda-me a caminhar de forma diferente...

Confessionário said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Confessionário said...

"...a meta está, afinal, em cada passo que damos, cada buraco da estrada, cada poça de água que pisamos ou que felizmente contornamos, cada rajada de vento frio, cada brisa fresca reconfortante, cada caminheiro que nos aborda, cada outro peregrino que apoiamos."

sp said...

xana concordo com o que dizes e por isso gosto deste pensamento:" voa livre e feliz,para além de aniversários,através da eternidade e encontrarnos-emos de vez em quando, sempre que quisermos, no meio da única festa que nunca poderá terminar."R.B.

Anonymous said...

O que importava era que não nos perdêssemos de vista uns aos outros no caminho...

NUNO BRANCO, SJ said...

Xana:

"Não percas Ítaca de vista,
pois chegar lá é o teu destino.
Mas não apresses os teus passos,
é melhor que a jornada demore muitos anos
e o teu barco só ancore na ilha
quando já estiveres enriquecido
com o que conheceste no caminho.

Não esperes que Ítaca te dê mais riquezas.
Ítaca já te deu uma bela viagem;
sem Ítaca, jamais terias partido.
Ela já te deu tudo, e nada mais te pode dar.

Se, no final, achares que Ítaca é pobre,
não penses que ela te enganou.
Porque te tornaste um sábio, viveste uma vida intensa,
e este é o siginificado de Ítaca."

(konstantino Kavafis)
Um beijinho :)

Vítor Mácula said...

Querida Xana.

Caminhemos pois, e, olha, a propósito e a despropósito, tomei a liberdade de te linkar.

Abraço!

Araj said...

Belo texto… enquanto relia o texto pensava com os meus botões, como é belo o caminho, mesmo que esse caminha tenha pedra e buracos, que importa, desde que cheguemos… o clímax é momentâneo, enquanto o caminho é longo e faz-NOS…

xana said...

Acredito, araj, que esses buracos e essas pedras, ainda que incómodos e dolorosos, estão no caminho para que retiremos nele alguns ensinamentos...
Também te parece ?

__________

António, ... "num horizonte de eternidade".. Não tinha pensado nisso..Dizes bem! Que imagem poderosa....
________

SP..estás na sintonia do António, já reparaste? E eu na vossa!

__________

anonymous.. também assim eu acho e espero. Oxalá não nos percamos de vista! Que é tão..tão bom vivermos assim "lado a lado", mano a mano nos nossos caminhos...
_________

Nuno sj...merci! mais um poema importante para mim e bonito, que eu vou colocar a enfeitar o meu caminho. Estou a pensar em pendurar numa das árvores que me dá a sombra quando é preciso repousar e pensar! Se acaso por lá passares, e o re-encontrares... sorri!-
foste tu que mo deste! -
Merci!
__________

Querido Vítor Mácula,

de tanto que te admiro,
pelo que leio
e pressinto de ti,
olha que a alegria
minha
é enorme ..
de te ter hoje
por aqui!

E linkaste-me?
Uau!!!!Merci!!
_________

Miguel, Confessionário...
um abraço grande que dure....
dure...
dure....
dure...

(Com)verso said...

E eu voltei a encontrar um poema que enviei um dia...

Xana : obrigada, por provocar a sua volta
Luísa: obrigada, por mo ter lido.
Nuno: ;)*

NUNO BRANCO, SJ said...

xana: é verdade esse poema que te enviei, chegou-me pelas mãos da (com)verso. Por aqui consigo perceber como há coisas q sao contagiantes e q se partilham, tipo corrente. Algumas vezes vemos-lhe o rasto, outras não... :)
Um beijinho

Nuno Barreto said...

Essa é uma grande verdade. Não importa só o alvo, mas a forma como chegamos a ele.

xana said...

(com)verso e Nuno sj.. fiquei muito feliz ao ler o que me disseram hoje.
Sim... também creio em correntes contagiantes...com ou sem rasto...
merci, meus amigos.

Ainda fico a gostar mais do poema. Mais ainda!!...Ena..!
________________________

Nuno Barreto..
estamos em perfeita
sintonia então...
Bem-vindo!!

Rafa said...

Gostei dende Espanha.
Cumprimentos, Xana.

Miho said...

E cada um tem o poder de escolher o melhor caminho :)


Beijinho com saudades

(os exames ja acabaram.. agora ja tenho mais tempo para vir aqui passear ;) ehehhe)

Rafa said...

Hermoso texto.
En mi opinión, puede ser un camino para...NADA.
Solo quiero decir que nada debe ser el motivo del camino, puede ser también nada el objetivo, puede ser nada la meta.
Solo viajar, andar y vivir.
Nada más.
Sin ninguna otra premisa.

nani said...

Simplesmente fantástico... Gostei do que li.

xana said...

Merci.. Elsa, Rafa e Nani!
São sempre muito bem vindos aqui!